quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Não basta fazer figas e ter fé


A bronca das presidenciais com os números de eleitor não pode passar em branco neste blogue. Visto de fora, o que se passou foi simples. Os vários sistemas de consulta aos novos números de eleitor falharam e com isso milhares de pessoas tiveram que passar horas em grandes confusões para descobrir onde podiam votar. Muitas, diz-se, terão desistido.

As razões concretas para este sistema crítico ter ido abaixo no preciso dia em que foi mais solicitado são certamente muitas. E os responsáveis também.

Mas, de uma forma geral, o que se passou foi simplesmente que quer o sistema quer as equipas de suporte não estavam preparados. É uma verdade de La Palisse, certamente, mas não deixa de ser o fulcro da questão. Para além disso, aparentemente, não havia plano de contingência.

Todos os bons profissionais sabem que a qualidade só se atinge com uma boa dose de preparação e com muita auto-desconfiança. Isto é: não basta montar os sistemas e esperar que corra tudo bem. É preciso testá-los muito para além da carga esperada, para que haja o mínimo de surpresas possível quando o dia crítico vier. E, mesmo com os testes a correr bem, há sempre que ter um "Plano B" pronto. Porque os sistemas falham, por milhentos motivos, e isso é uma certeza incontornável.