terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Cartões de pagamento RFID chegam a Portugal - apesar das críticas lá fora

Estão por estes dias a sair várias notícias que anunciam a chegada a Portugal de uma nova forma de pagamento baseada em RFID. Segundo a notícia do Dinheiro Vivo:
"Não é preciso PIN, nem passar o cartão no terminal do multibanco. Basta acenar o cartão e, poucos segundos, a compra está feita. Os cartões com tecnologia ‘contactless' (sem contacto) vão chegar às carteiras dos portugueses até ao final do verão."

Curiosamente, li ainda esta manhã uma referência a uma notícia na Forbes que relatava a demonstração da simplicidade com que este tipo de cartões pode ser falsificado, com um pequeno investimento em equipamento e alguns conhecimentos técnicos.

Segundo a Forbes, a hacker Kristin Paget utilizou um leitor de cartões RFID da Vivotech que comprou no eBay por $50 para ler, sem fios, um cartão de crédito de um voluntário, em pleno palco, e obteve o número do cartão, data de expiração e o número de segurança usado para autenticar os pagamentos. Pouco depois ela usou um equipamento de $300 para codificar os dados num cartão em branco. De seguida, utilizou um acessório para  iPhone que permite passar um cartão e receber pagamentos, de modo a pagar a si mesma $15 com o dinheiro do voluntário usando o cartão falsificado que tinha acabado de criar. Finalmente entregou uma nota de $20 ao voluntário e sugeriu que ele cancelasse o cartão.


Como o RFID pode funcionar a alguma distância (cerca de 1 metro, nos smartcards), isto significa que estes dados podem ser roubados sem sequer pedir às pessoas que tirem o cartão do bolso onde têm a carteira.

Talvez valha a pena ler bem com atenção as letras pequeninas do contrato, quando o banco nos propuser a utilização destes novos cartões. Se eles se responsabilizarem pelas falhas de segurança no sistema talvez não percamos dinheiro. Mas quem paga as chatices?

(fotos: Forbes)

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Parasitagem (Proj. Lei 118 do P.S.)


Segundo a Bíblia, Jesus Cristo fez o milagre da multiplicação dos pães, alimentando, com apenas cinco pães e dois peixes, uma multidão de mais de cinco mil pessoas. Estas pessoas não tinham onde comer e nem comprar o alimento. Cristo, contando com a generosidade de um menino que lhe doou os pães e os peixes, pôde alimentá-las e ainda sobraram doze cestos cheios. [adap. daqui]

Segundo o Partido Socialista, de acordo com a lógica que pretende impor através do Projecto Lei 118 sobre a cópia privada, ao partilhar os peixes e pães, Jesus Cristo estaria a prejudicar irremediavelmente os pescadores e padeiros da Palestina, pelo que todas as pessoas que comprassem cestos deveriam pagar uma taxa adicional para entregar a uma associação daqueles profissionais.

Se isto parece absurdo, é porque a lei que o Partido socialista propôs é mesmo absurda.

Se algumas pessoas copiam músicas e filmes utilizando discos ópticos e magnéticos porque diabos terão todos os utilizadores de discos magnéticos e ópticos que pagar uma taxa adicional, proporcional à capacidade de armazenamento?

E todos os outros que usam os sistemas de armazenamento para fins diferentes? Têm que pagar a mais pela incompatibilidade entre o modelo de negócios dos produtores de conteúdos e a realidade tecnológica em que vivemos?

Convém não andarmos distraídos. ;-)

Leituras adicionais sugeridas:


Nota: a ideia da comparação do #PL118 com o milagre da multiplicação foi inspirada num post de alguém no facebook, que infelizmente não consegui encontrar de novo e por isso não sou capaz de lhe dar o devido crédito, pelo que lhe peço antecipadamente as minhas desculpas.

Por este andar o primeiro lugar do ranking já era...

"Recentemente, ficou a conhecer-se o relatório do EGov Benchmark, um ranking da Comissão Europeia sobre serviços electrónicos. Portugal mantém-se no primeiro lugar do referido ranking, o que representa uma boa notícia para o país."

Pois era, era. Mas, assim, esse primeiro lugar não dura nada:

10ª Conferência da ANETIE - Convite

A Associação Nacional de Empresas de Tecnologia de Informação e Electrónica vai organizar, no próximo dia 24, a décima edição da sua Conferência Anual. Aqui fica o convite:

Clique no convite para se inscrever, ou envie email para geral@anetie.pt

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Contenção de custos nas TI do Estado

Parece que a poupança de 60% nas TI do Estado, prometida esta semana pelo Ministo Relvas, já está a ser posta em prática...

 "o acesso ao sistema está temporariamente indisponível"


 "serviço momentaneamente indisponível"


Nos anos 70 havia uma campanha na televisão que dizia "Não vá... telefone!". Agora vai haver uma nova versão: "Não telefone... vá! Leve um lanchinho, tire a senha e espere, que nós estamos em contenção de custos".  :-p