terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

Horário de trabalho

A trabalhar há dois meses na Irlanda, ando para escrever alguns apontamentos daqui de Dublin, mas são tantos e tão diversos que há matéria aqui para escrever um blog inteiro (e talvez ainda o faca se a inspiração vier em meu auxílio). Há no entanto uma diferença que encontrei por aqui que é muito mais marcante do que eu poderia supor poder ser, e lembrei-me deste ponto que talvez se acomode bem neste blog e no tipo de posts que por aqui há. Falo do horário de trabalho.

O horário que por aqui se pratica, e que suponho generalizado, é de entrar as 9h e sair as 17h, com meia-hora de almoço. Ou seja, 7 horas e meia. Ou seja, meia-hora de diferença para o horário "normal" de Portugal. E que diferença que essa diferença faz...

Os irlandeses não são muito "fanáticos" com o trabalho e os horários, não se trata de regimes "autoritários" como parece ser em Inglaterra ou na Alemanha - a propósito, sabem que os alemães dizem que na Alemanha a taxa de criminalidade é baixa porque lá o crime é ilegal?

A primeira impressão que tive dos Irlandeses foi efectivamente de que eram um bocado como os ingleses, em termos de "formalismo metódico", "profissionalismo", "responsabilismo", mas ao mesmo tempo mais "relaxados", mais "descontraidos", mais "laissez faire, laissez passé", enfim, numa palavra, mais "latinos". O que me estranhou, já que contava mais com uma cultura bem "britanizada", mas enfim, se até o próprio Bono diz que "Irish people are essentially Latin people who don't know how to dance", quem sou eu para o contradizer...

Assim, não é de todo infrequente que surjam alguns pequenos atrasos, mas em geral pelas 9:10 o mais tardar já está toda a gente no trabalho, e fazendo equipa com um italiano, dois espanhóis e uma irlandesa decorre que por grande maioria decidimos sempre ir tomar um bom café, que levamos de casa e fazemos nós numa típica cafeteira, de outro modo é impossível beber-se bom café. Quer isso dizer que trabalho mesmo só lá prás 9:30. Lá pró meio-dia e meio vai tudo almoçar e lá prá uma e tal trabalha-se outra vez.

Já em Portugal, entre café e futebol e atrasos começa-se a trabalhar efectivamente para aí as 10 horas, com sorte! Ao meio-dia já está tudo a pensar no almoço, onde se vai perder uma hora desnecessariamente, até porque com os salários que os patrões nos pagam quem é que tem dinheiro para almoçar todos os dias num restaurante "decente" a comer uma refeição digna desse nome? De modo que lá pras duas volta-se a ir trabalhar para fazer o meio dia da tarde...

E é aqui que a magia acontece! Começa-se a trabalhar aqui lá prá uma e tal de tal modo que a primeira vez que se olha para o relógio depois de um boa sequência de trabalho, já são três e tal, ou seja, quase a entrar na ultima hora de trabalho. E pensa-se "olha que fixe, deixa cá continuar com o trabalho pra estar tudo feito a horas"... E assim, com uma pausa colectiva nos dias mais frios para beber um cházinho por volta das 4, as 5 está tudo "packed and ready to go"!

Já em Portugal, na mesma situação, o que acontece? Uma pessoa olha para o relógio, são as mesmas 3 e tal, mas pensa-se "porra, estou farto de trabalhar e ainda falta mais de metade da tarde pra sair!!!" E pronto, está tudo estragado! Para espairecer o espírito vai-se tomar um café, ler uns emails, quarto-de-banho, emails, as ultimas do futebol e volta-se a trabalhar sem vontade nenhuma, só a espera que chegue as 6 da tarde. E normalmente com isto tudo o trabalho acaba por atrasar, chega-se as 6 horas e ainda não se terminou, fica-se mais uma horita pra não apanhar muito transito, sai-se as 7 e está imenso transito, chega-se a casa lá pra 8 e nada mais resta que jantar e com sorte tem-se uma horita para a "vida pessoal" antes de ir dormir.

Bom, "to cut a long story short", conclui-se sem necessidade de extremo raciocínio que na Irlanda, com 7,5 horas de trabalho "nominal", se tem pelo menos umas 6,5 horas completas de trabalho "efectivo", ou seja, uma produtividade de quase 90%, enquanto que em Portugal, com 8 horas, temos para aí umas 5 horas, 5 horas e meia de trabalho produtivo na melhor da hipóteses, ou seja, pouco mais de 60% de produtividade. E nem estou a falar da função pública...

E nem estou a falar, principalmente, da grande vantagem que se tem de chegar a casa as 6 da tarde depois de um dia de trabalho, ou de ir ao centro comercial ver as ultimas novidades dos laptops e consolas e ainda chegar a casa as 8, bem a tempo de jantar, ou de ir até ao "pub" beber umas "pints" de Guiness e ainda chegar a casa as 8, bem a tempo de jantar, ou até, porque não, fazer essas coisas todas de seguida ou outras que vos aprove, e ainda ter a benesse de poder dormir uma noite completa de 8 horas. Ou de 7,5 horas como se faz aqui...

"Bottom line", porque não tentar ao invés de tanto ao estilo português, estar a pedir todos os anos um "aumento" aos patrões, porque não, dizia, pedir antes uma "diminuição"? Uma diminuição do horário de trabalho, com um aumento de produtividade na empresa e uma melhoria substancial da "qualidade" da "vida pessoal" de cada um, caramba, isto é uma "win-win situation"...


P.S. - Peco desculpa aos "patrões" que por aqui há se lhes estou a causar inconvenientes...

:)