segunda-feira, 26 de março de 2012

Subsídios é no QREN, s.f.f. - #pl118

Foto: Gabriela Canavilhas - Deputada do PSA reportagem da TVI que passou no sábado sobre o projecto lei 118 veio reforçar convicção de que há um grupo de empresas nacionais que estão a fazer lobby para obter, com a desculpa da cópia privada, uma compensação pelas perdas "derivadas da pirataria".

O "problema da pirataria" é, na realidade, um problema de posicionamento estratégico das empresas. Não há negócio quando não há valor para o cliente. O que as editoras estão a tentar fazer é prolongar a facturação por serviços que os seus clientes deixaram de valorizar da mesma forma. A "pirataria" existe por que a tecnologia actual permite realizar o "milagre da multiplicação" praticamente sem custos, o que torna irrelevante o negócio da cópia e distribuição.

Está assim cada vez mais claro o que se pretende: angariar um subsídio anual de 6 milhões de euros para o sector editorial, com revisão anual da lei para garantir que o subsídio não falhe mesmo que apareçam novas tecnologias. Um subsídio que será pago maioritariamente por por todas as empresas e profissionais, ao adquirirem material informático para armazenamento de dados.

Por mais que achemos que os subsídios possam ter um efeito positivo na dinamização ou renovação de certos negócios, não podemos aceitar que este subsídio seja atribuído assim. Se as editoras querem subsídios devem, como toda a gente, ir bater à porta do QREN.